Quando o desespero toma conta



Na última semana de abril, no RS, uma notícia horrorosa e quase despercebida chega aos noticiários.

Pelas primeiras informações, um empresário gaúcho, com 44 anos, no ramo de alimentação, aparentemente muito conhecido na sua região, numa "atitude desesperada e final”, assassinou sua familia inteira e no final se suicidou.

Tudo leva a crer, nas primeiras investigações que o ato desesperado tinha uma causa realmente desesperada e que assola 10 em 10 empreendedores de qualquer tipo e segmento de negócio no mundo: a sensação de ter DÍVIDAS IMPAGÁVEIS.

A pressão emocional do fantasma da falência e da vergonha, de ver o nome arrastado


no pântano da miséria e toda sua reputação enlameada nas restrições de crédito e no calote institucionalizado.

Trabalhando 30 anos na área financeira, infelizmente não é a primeira vez que vejo isso e tudo leva a crer que não será a última.

Uma família dizimada em tudo, porque o empresário "X' (que em respeito à sua memória omitirei seu nome), não teve forças para enfrentar o tsunami que teria pela frente de cabeça erguida e com a coragem necessária para interromper os problemas de origem financeira que já se faziam visíveis.

Hoje, entristecido que isso ainda esteja acontecendo, reforça minhas convicções do porquê fundei a ASGARDGTECH Gestão Empresarial.

Para que essas notícias terríveis desapareçam dos noticiários de uma vez por todas, porque a única certeza que tenho é que há sim solução, muitas vezes tão simples, que passam despercebidas num ambiente de pressão absoluta fisica e mental.

Não se trata de milagre nem de genialidade.

Apenas de muita experiência adquirida à custa de muita dor e trabalho.

Não deixe o desespero tomar conta.

Não vale a pena.

Antes que seja tarde demais.

Que todos descansem em paz.



3 visualizações0 comentário